Sb sociedade brasileira




Descargar 96.13 Kb.
TítuloSb sociedade brasileira
Fecha de conversión28.11.2012
Tamaño96.13 Kb.
TipoDocuments

Revista da




SB SOCIEDADE BRASILEIRA







HC DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA






Normas sobre referências bibliográficas


Roberto de Andrade Martins


Estas normas serão adotadas pela Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência a partir do ano de 2001. Elas são baseadas principalmente nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (Norma ABNT NBR-6023/2000), com algumas adaptações. Para mais informações sobre essa norma da ABNT, pode-se consultar o trabalho “Como fazer referências bibliográficas”, de Maria Bernardete Martins Alves e Susana Margareth Arruda, disponível na Internet (http://www.bu.ufsc.br/framerefer.html)1.

As indicações a seguir esclarecem os casos mais importantes de referências bibliográficas. Podem existir situações especiais que fujam às regras aqui descritas, mas certamente elas poderão ser resolvidas por analogia com os casos mais comuns.

Mesmo dispondo de regras detalhadas como as que estão abaixo, as pessoas costumam cometer erros. Os erros mais comuns são não prestar atenção à pontuação e à ordem das informações. É preciso prestar atenção a pontos, vírgulas, aspas, dois pontos, etc. É necessário observar o que deve ficar com letras maiúsculas ou minúsculas, o que vai em itálico ou não. E não trocar a ordem das informações (por exemplo: nome da cidade onde o livro é publicado e editora que publicou o livro). Se o pesquisador não desenvolver a atenção a esses detalhes, nenhum conjunto de regras impedirá que ele cometa erros.
  1. Posição da lista bibliográfica


As referências bibliográficas deverão ser colocadas em uma lista, ao final do artigo (e não em notas de rodapé). Essas referências serão numeradas seqüencialmente.

A lista de referências bibliográficas deve estar em ordem alfabética do sobrenome dos autores. Quando houver mais de uma referência do mesmo autor, elas devem estar ordenadas cronologicamente (por ano de publicação).
  1. AUTORIA

2.1 Um ou mais autores


Todas as referências bibliográficas devem começar pelo nome do respectivo autor (a menos que seja desconhecido): sobrenome EM LETRAS MAIÚSCULAS seguido de vírgula, e depois as iniciais ou nomes.

Não existe nenhum motivo para substituir o nome por iniciais, quando o nome é conhecido. Além disso, é útil conhecer-se o primeiro nome de cada autor, para evitar confusões (como, por exemplo, equívocos sobre o sexo do/a autor/a).

No caso em que sejam colocadas iniciais, cada inicial deve ser seguida por um ponto e um espaço. É costume, em algumas revistas, não utilizar espaços entre as iniciais, mas isso é contrário às normas gramaticais.

Quando há dois ou três autores os nomes devem ser separados por ponto-e-vírgula. Quando há mais de três autores, pode-se colocar todos os nomes, ou colocar apenas o nome do primeiro, seguido da expressão et al. (em itálico), que é uma abreviação de “et alii”, que significa “e outros” (ou seja, é um tipo de etc.). Evidentemente, não existe ponto depois do “et”, nessa expressão.

Depois do nome do autor (ou autores) coloca-se um ponto. Quando já existe um ponto (por exemplo, quando são utilizadas iniciais), não se coloca um segundo ponto, evidentemente.

Exemplos:

KITCHER, Philip.

BERNAL, J. D.

BOYER, Carl Benjamin.

BLAKE, Ralph; DUCASSE, Curt; MADDEN, Edward.

DEBUS, Allen G. et al.

2.2 Editores ou organizadores


No caso de obras coletivas que sejam organizadas ou editadas por uma ou mais pessoas, o nome dos editores ou organizadores figura no lugar do nome do autor, e coloca-se depois do nome, entre parênteses, a abreviação correspondente: org. ou ed. ou coord. Nesse caso, o ponto é colocado depois dos parênteses.

Exemplos:

GILLIESPIE, Charles Coulston (org.).

GRANT, Edward; MURDOCH, John E. (eds.).

GRATTAN-GUINNESS, Ivor (coord.).

2.3 Entidades ou instituições


Em alguns casos uma obra é de responsabilidade de uma organização ou instituição, e não de uma pessoa. Nesse caso, no lugar do nome do autor deve aparecer o nome da instituição, em letras maiúsculas.

Exemplos:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM.

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil).

Observação: No caso de órgãos nacionais, estaduais ou municipais, o nome do país, Estado ou município deve aparecer antes, em maiúsculas. Exemplos:

BRASIL. Ministério do Trabalho. Secretaria de Formação e Desenvolvimento Profissional.

SÃO PAULO. Arquivo do Estado.

2.4 Pseudônimos ou autoria desconhecida


Quando um autor utiliza um pseudônimo, a obra deve figurar com a indicação desse pseudônimo. Se o nome verdadeiro do autor for conhecido, deve ser colocado entre colchetes, depois do pseudônimo.

Exemplos:

ATHAYDE, Tristão de [Alceu Amoroso Lima].

TAHAN, Malba [J. Souza].

BOURBAKI, Nicolas [Henri Cartan; Claude Chevalley; Jean Coulomb; Jean Delsarte; Jean Dieudonné; Charles Ehresmann; René de Possel; Szolem Mandelbrojt; André Weil].

Se o autor é totalmente desconhecido (e não é uma instituição – ver item 2.3) pode-se iniciar a referência pelo nome da própria obra, e nesse caso a primeira palavra aparece em maiúscula (se houver um artigo antes, o artigo também aparece em maiúscula). Embora a norma da ABNT não indique essa possibilidade, é também aceitável colocar-se ANÔNIMO entre colchetes:

Exemplos:

THE OXFORD English dictionary.

ENCYCLOPAEDIA Britannica.

[ANÔNIMO].

2.5 Várias obras do mesmo autor


Quando um mesmo autor tem várias obras que constam da lista bibliográfica, coloca-se o nome do autor na primeira obra e, nas demais, coloca-se um traço com cerca de 1 cm de comprimento.

Exemplo:

CLAGETT, Marshall. Greek science in antiquity. London: Abelard-Schuman, 1957.

–––––. The science of mechanics in the Middle Ages. Madison: University of Wisconsin, 1959.

––––– (ed.). Archimedes in the Middle Ages. Philadelphia: American Philosophical Society, 1964-1989. 10 vols.

Observação: Esse tipo de traço é formado com 5 ou 6 travessões, como estes: –––––. Não é nem uma seqüência de hífens ----- (porque eles não se unem, ficam espaços entre eles) nem uma seqüência de sublinhados _____ (a altura do travessão eqüivale à metade da altura de uma letra minúscula). Pode-se produzir um travessão mantendo-se a tecla ALT do teclado pressionada, enquanto se digitam no teclado numérico (no lado direito do teclado) os algarismos 0150; quando se solta a tecla ALT aparece o travessão.

  1. Estrutura da referência bibliográfica

3.1 Monografias (Livros)


Os dados essenciais são:

  • Nome do autor (ou autores), começando pelo sobrenome EM MAIÚSCULAS

  • Título e subtítulo (em itálico)

  • Tradutor ou editor (se houver)

  • Edição (se não for a primeira edição)

  • “Imprenta”, ou seja: Cidade: Editora, Ano.

  • Número de volumes ou tomos (se tiver 2 ou mais volumes)

É desnecessário colocar o número de páginas de livros, em listas bibliográficas publicadas em artigos, livros ou teses. Uma ficha catalográfica de biblioteca deve indicar o número de páginas de cada livro, é claro; e como são geralmente as bibliotecárias que dão instruções sobre como elaborar bibliografias, elas dizem aos pesquisadores que é necessário colocar o número de páginas. Mas isso é um equívoco.

Exemplos:

ACOT, Pascal. Histoire de l’écologie. Paris: Presses Universitaires de France, 1988.

ACOT, Pascal. História da ecologia. Trad. Carlota Gomes. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

Note que há pontos antes e após o título do livro, e ao final da referência bibliográfica. São colocados dois-pontos entre a cidade e a editora e uma vírgula entre a cidade e o ano de publicação.

Na referência bibliográfica, o ano de publicação deve ser sempre escrito sempre em algarismos arábicos e não romanos (isso é, 1950 e não MDCCCCL), mesmo se na obra original estiver com algarismos romanos.

Se o título da obra for em alemão, os substantivos devem aparecer com inicial maiúscula, porque esta é a regra ortográfica daquele idioma. Em outros idiomas, todas as palavras do título (exceto nomes próprios) devem ser colocadas em minúsculas2.

Observação: As bibliotecárias costumam deixar um espaço entre o nome da cidade e os dois-pontos. A norma da ABNT não indica que deva existir esse espaço, e isso seria contrário às regras de pontuação do português (ou de qualquer outro idioma moderno). Portanto, não deve ser deixado espaço antes de nenhuma pontuação.

Quando a obra tem vários tomos ou volumes, indica-se o número de volumes ou tomos após a data de publicação:

GILLIESPIE, Charles Coulston (org.). Dictionary of scientific biography. New York: Charles Scribner's, 1981. 16 vols.

Nesse caso, é comum que uma parte da obra tenha sido publicada em um ano, e outras partes em outros anos, e indica-se tanto o ano inicial quanto o ano final, como no exemplo abaixo:

DUHEM, Pierre Maurice Marie. Le système du monde: histoire des doctrines cosmologiques de Platon a Copernic. 10 vols. Paris: Hermann, 1913-1958.

Quando o livro é uma parte de uma coleção, é comum (mas não obrigatório) incluir também uma menção à coleção de que o livro faz parte. Essa informação aparece depois de todas as outras informações (ano, número de volumes), e é colocada entre parênteses, como nos exemplos abaixo:

ARISTOTLE. Meteorologica. Trad. H. D. P. Lee. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1975. (Loeb Classical Library 397)

GUILLAUME DE CONCHES. William of Conches: a dialogue on natural philosophy. Ed. Italo Ronca, Trad. Matthew Curr. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1998. (Notre Dame Texts in Medieval Culture 2)

LANG, Helen S. Aristotle's physics and its medieval varieties. New York: State University of New York Press, 1992. (Suny Series in Ancient Greek Philosophy)

3.2 Teses e dissertações


De acordo com as normas da ABNT, a referência bibliográfica de teses ou dissertações é semelhante à de livros, com as seguintes diferenças:

  • Como a tese não é propriamente “publicada”, não existe editora, por isso em vez de Cidade: Editora, Ano coloca-se Cidade, Ano.

  • Depois do ano, especifica-se a tese ou dissertação e a instituição, colocando: Dissertação [ou Monografia, ou Tese] (Mestrado em ...) [ou Especialização em... ou Doutoramento em... ] – Faculdade de... [ou Instituto de... ou Departamento de... ou Programa de ...], Universidade...

Exemplos:

VILELA, Denise Silva. A teoria de Cantor sobre os transfinitos. Campinas, 1992. Monografia (Especialização em História da Ciência) – Departamento de História, Universidade Estadual de Campinas.

ARAÚJO, Cícero Romão Rezende de. Ciência e interesse na cosmogonia de Descartes. Campinas, 1989. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

FERRAZ, Márcia Helena Mendes. A ciência em Portugal e no Brasil (1772-1822). São Paulo, 1995. Tese (Doutoramento em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Observação: Em uma ficha de biblioteca ou para algumas outras finalidades deve-se incluir o número de páginas da tese ou dissertação. Em referências bibliográficas para fins acadêmicos ( referências apresentadas em artigos ou livros) não é usual incluir o número de páginas.

3.3 Anais de congressos e outros eventos


Quando se quer fazer referência aos anais de um congresso como um todo, seguem-se as normas para livros (seção 3.1), com algumas diferenças indicadas abaixo. Quando se quer fazer referência a um trabalho específico publicado nos anais de um congresso, seguem-se as indicações da seção 3.4 mais adiante.

Quando os anais do congresso possuem o caráter de livro autônomo, publicado por um ou mais editores, a referência bibliográfica pode ser idêntica a um livro “comum”.

SCHUBRING, Gert (ed.). Hermann Gunther Grassman (1809-1877): visionary mathematician, scientist and neohumanist scholar. Papers from a sesquicentennial conference. Dordrecht: Kluwer Academic Publications, 1996.

No caso em que se quer enfatizar na referência bibliográfica a informação sobre um congresso ou evento em que os trabalhos foram apresentados, as normas da ABNT indicam que se deve utilizar a seguinte forma: NOME DO CONGRESSO (em maiúsculas). Número do congresso, ano, cidade onde se realizou. EDITOR (se for conhecido). Título da publicação (em itálico). Cidade: Editora, Ano. Ou seja: no lugar onde apareceria o nome do autor de um livro, são colocadas as informações sobre o evento, como nos exemplos abaixo:

SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA. 7, 1999, São Paulo. GOLDFARB, José Luiz & FERRAZ, Márcia Helena Mendes (eds.). Anais do VII Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia e da VII Reunião da Rede de Intercâmbios para a História e a Epistemologia das Ciências Químicas e Biológicas. São Paulo: Sociedade Brasileira de História da Ciência; EDUSP, 2000.

INTERNATIONAL HISTORY, PHILOSOPHY AND SCIENCE TEACHING CONFERENCE. 3, 1995, Minneapolis. FINLEY, Fred (ed.). Proceedings of the 3rd. International History, Philosophy and Science Teaching Conference. Minneapolis: University of Minnesota, 1995. 2 vols.

PISA CONFERENCE ON THE HISTORY AND PHILOSOPHY OF SCIENCE. 1978, Pisa. HINTIKKA, Jaakko; GRUENDER, David; AGAZZI, Evandro (eds.). Probabilistic thinking, thermodynamics, and the interaction of the history and philosophy of science. Dordrecht: D. Reidel, 1981.

SYMPOSIUM ON THE HISTORY OF STATISTICS AND PROBABILITY. 1974, Dallas. OWEN, Donald (ed.). On the history of statistics and probability. Proceedings of the Symposium on the History of Statistics and Probability. New York: Marcel Dekker, 1976.

3.4 Capítulos de livros e trabalhos em anais de congressos


Quando se quer fazer referência a um capítulo específico de um livro coletivo ou a um trabalho específico publicado em anais de um evento, coloca-se inicialmente a informação referente ao capítulo (ou trabalho) específico, e depois a informação da obra como um todo, com a seguinte estrutura: AUTOR DO CAPÍTULO OU TRABALHO. Título do trabalho (sem itálico e sem aspas). In: [referência completa da obra]. Volume, página inicial-página final.

Exemplos:

WEILL, Adrienne. Curie, Marie (Maria Sklodowska). In: GILLIESPIE, Charles Coulston (ed.). Dictionary of Scientific Biography. 16 vols. New York: Charles Scribner’s Sons, 1970. V. 3, pp. 497-503.

YOUNG, Robert M. Marxism and the history of science. In: OLBY, R. C, CANTOR, G. N., CHRISTIE, J. R. R. & HODGE, M. J. S. (eds.). Companion to the history of modern science. London: Routledge, 1990. Pp. 77-86.

PHILLIPS, Melba. Electromagnetic radiation. In: Encyclopaedia Britannica. 15. ed. Chicago: Encyclopaedia Britannica, 1980. 36 vols. Macropaedia, v. 6, pp. 644-665.

FERNANDES, A. História da botânica em Portugal até finais do século XIX. In: História e desenvolvimento da ciência em Portugal. Lisboa: Academia das Ciências, 1986. 2 vols. V. 2, pp. 851-916.

3.5 Artigos publicados em periódicos


As informações que devem constar em referências bibliográficas de artigos de periódicos são:

  • Autor do artigo (SOBRENOME, Nome).

  • Título do artigo, subtítulo (se houver), sem itálico e sem aspas.

  • Título do periódico, revista ou boletim, em itálico, com iniciais maiúsculas em todas as palavras3, exceto artigos e outros conectivos.

  • Cidade de publicação, quando for necessário para diferenciar periódicos com mesmo nome

  • Indicação do volume, páginas inicial e final, ano de publicação.

Observação: Em alguns casos uma revista tem várias séries, e o número do volume recomeça em cada uma delas. Nesses casos, deve-se indicar a série antes do volume4. Há também casos em que é necessário indicar o número do fascículo, quando a numeração das páginas recomeça do 1 em cada fascículo5. Existem ainda situações em que, além do ano, deve-se indicar o mês ou até mesmo o dia de publicação, para identificar corretamente o artigo.

Exemplos:

JAUNCEY, G. E. M. The early years of radioactivity. American Journal of Physics 14: 226-41, 1946.

URBAIN, G. Recherches sur la séparation des terres rares. Annales de Chimie et de Physique [série 7] 19: 184-274, 1900.

LANGMUIR, Irving. Pathological science. Physics Today 42 (10): 36-48, Oct. 1989.

LUMMER, Otto. Beiträg zur Klärung der neuesten Versuche von R. Blondlot über die N Strahlen. Verhandlungen der Deutschen physikalischen Gesellschaft 5 (23): 416-422, 1903.

Observação: Na Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência o volume será indicado em negrito, com algarismos arábicos (ou seja, nunca utilize algarismos romanos como XII, CL). Quando for necessário indicar a série, o número desta deve ser colocada entre colchetes, antes do volume. É comum encontrarmos nos periódicos a indicação "nova série"; nesse caso, geralmente trata-se da série 2.

Quando for necessário indicar o número do fascículo, este deve ser colocado entre parênteses (sem negrito), depois do número do volume. Depois do número do volume (ou do fascículo), coloca-se dois pontos, espaço, página inicial, hífen, página final, vírgula, data de publicação, ponto final.

De acordo com a norma da ABNT, os títulos dos periódicos podem ser escritos por extenso (como nos exemplos acima) ou de forma abreviada. Na Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência os títulos dos periódicos serão colocados sempre por extenso, por diversos motivos: (1) os historiadores da ciência trabalham com uma variedade imensa de periódicos (literatura primária e secundária) e muitas vezes um historiador pode não reconhecer o nome de um periódico se ele estiver abreviado; (2) as regras da ABNT para abreviar títulos de periódicos (NBR 10522) são extremamente complicadas, e é mais fácil colocar o título completo do que abreviá-lo.

De acordo com as normas da ABNT, seria sempre necessário colocar a cidade de publicação após o título da revista. A Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência não vai adotar essa regra, por diversos motivos: (1) não é uma prática internacional; (2) em muitos casos o pesquisador utiliza artigos de revistas das quais não possui informação completa, e pode não saber a cidade em que foi publicada; (3) se não existirem duas revistas com o mesmo nome, é desnecessário indicar a cidade de publicação, pois o periódico já fica definido de forma unívoca por seu título.

3.6 Periódicos descritos como um todo (ou volumes / fascículos especiais)


Quando for importante colocar uma referência bibliográfica de um periódico como um todo, deve-se indicar: TITULO DO PERIÓDICO com letras maiúsculas. Local de publicação6 (cidade): Editora, ano do primeiro e último volume (se o periódico já acabou). Pode-se também acrescentar como informações adicionais a periodicidade e o ISSN do periódico7. Exemplo:

BRITISH JOURNAL FOR THE HISTORY OF SCIENCE. Keston: The British Society for the History of Science, 1962-. ISSN: 0007-0874

CENTAURUS: INTERNATIONAL MAGAZINE OF THE HISTORY OF SCIENCE AND MEDICINE. Kobenhavn: Munksgaard, 1950-. ISSN: 0088-8994.

Observação: O modo mais simples de obter-se informações sobre data inicial de periódicos e ISSN é consultando uma base de dados, como o sistema Dedalus da USP, que pode ser consultado pela Internet.

Em certos casos, é importante fazer referência a um fascículo ou volume especial de um periódico. Nesse caso, a referência bibliográfica deve conter as seguintes informações: TÍTULO DO PERIÓDICO em maiúsculas. Título do volume ou fascículo. Editor (se houver). Cidade: Editora, volume, número do fascículo (se for o caso), mês (se for o caso), ano.

Exemplo:

OSIRIS. Constructing knowledge in the history of science. Ed. Arnold Thackray. Philadelphia: History of Science Society, [série 2] v. 10, 1995.

Pode-se, como alternativa, considerar o volume ou fascículo especial como se fosse um livro pertencente a uma série, e apresentar a referência bibliográficas sob outra forma:

THACKRAY, Arnold (ed.). Constructing knowledge in the history of science. Philadelphia: History of Science Society, 1995. (Osiris, série 2, v. 10)

  1. Imprenta (local, editora, data)


No caso de livros, anais de congresso, etc., como foi indicado acima, é necessário colocar a cidade de publicação, dois pontos, editora, vírgula, ano de publicação, ponto final. Aqui serão indicados alguns casos especiais.

4.1 Cidade


O nome da cidade deve ser grafado como aparece na obra, e não “traduzido”. Ou seja: utiliza-se New York e não Nova Iorque; London e não Londres; München e não Munique; e assim por diante.

Em alguns casos deve-se especificar o Estado ou país a que a cidade pertence: quando há duas ou mais cidades com o mesmo nome. Por exemplo:

Viçosa, MG

Viçosa, RN

Cambridge, MA [é a cidade de Cambridge no Estado de Massachusetts, nos Estados Unidos da América]

Cambridge, UK [é a cidade de Cambridge na Inglaterra, Reino Unido = UK]

Quando uma das cidades de mesmo nome é mais antiga e mais conhecida do que a outra, só se coloca o complemento na cidade menos conhecida. Por exemplo: não é necessário que a cidade de Paris fica na França, mas é necessário indicar o Estado quando se tratar da cidade de Paris que fica no Texas. Não se costuma também indicar que a famosa cidade de Cambridge fica na Inglaterra, mas indica-se que a “outra” Cambridge fica no Estado de Massachusetts.

Quando a cidade de publicação não é conhecida, coloca-se [s. l.], abreviação de “sine loco” que significa “sem local” [de publicação]. Quando a cidade é conhecida mas não aparece na obra, coloca-se o nome da cidade entre colchetes.

4.2 Editora


Não é necessário incluir no nome da editora palavras como “Editora”, “Press”, etc. Também não se costuma colocar “Ltda.”, etc. Assim, em vez de Editora Nova Ciência Ltda. pode-se colocar simplesmente Nova Ciência.

Em alguns livros podem ser indicadas várias cidades e várias editoras. Nesse caso, costuma-se colocar apenas a primeira editora mencionada (ou a que aparece com mais destaque) e a primeira cidade. No entanto, é também possível indicar duas ou mais editoras, se isso for julgado importante, como no caso abaixo:

SACROBOSCO, Johannes de. Tratado da esfera. Trad. Pedro Nunes, introd. e comentários de Carlos Ziller Camenietzki. São Paulo: UNESP; Nova Stella; Rio de Janeiro: MAST, 1991.

Note-se a regra de pontuação: Cidade1: [dois pontos] Editora1; [ponto e vírgula] Cidade 2: [dois pontos] Editora 2.

Quando a editora não é conhecida, coloca-se no seu lugar [s. n.], abreviação de “sine nomine” que significa “sem nome” [da editora]. Quando nem a cidade nem a editora são conhecidas, coloca-se [s.l.: s. n.].

Quando a editora é conhecida mas não aparece na obra, coloca-se o nome da editora entre colchetes.

Em alguns casos em que uma obra tem como “autor” uma instituição, que é também a “editora”, coloca-se o nome da instituição apenas no início da referência, como no exemplo abaixo.

INSTITUTO BRASILEIRO DE BIBLIOGRAFIA E DOCUMENTAÇÃO. Amazônia: Bibliografia, 1614-1962. Rio de Janeiro, 1963-1972.

4.3 Data


O ano de publicação é um elemento muito importante, e deve ser escrito sempre em algarismos arábicos (e não em algarismos romanos). Infelizmente, nem sempre os livros trazem a data de publicação (os livros portugueses recentes, por exemplo, são um problema nesse sentido). Quando a data não consta nem no início do livro, nem no seu final, nem no prefácio, deve-se tentar localizar a data indiretamente, utilizando bases de dados como as das bibliotecas universitárias brasileiras ou da Library of Congress, cujos bibliotecários já se deram ao trabalho de tentar obter essa informação.

De acordo com a norma da ABNT, quando a data não consta na obra, mas é conhecida, ela deve ser colocada entre colchetes:

[1995] data conhecida com certeza, mas não indicada na obra

[1995?] data provável

[ca.1978] data aproximada (ca. é abreviação de circa = cerca de, aproximadamente)

[1981 ou 1982] um ano ou outro

[entre 1990 e 1998] use intervalos menores de 20 anos

[191-] década conhecida com certeza

[191?] década provável

[15--] século conhecido com certeza8

[15--?] século provável

Por fim, quando não se tem nenhuma indicação sobre a data da obra, deve-se colocar entre colchetes [s. d.], abreviação de “sine datum” que significa “sem data” [de publicação].
  1. OUTRAS INFORMAÇÕES


Em certos casos, o pesquisador pode querer acrescentar comentários sobre uma referência bibliográfica. Por exemplo:

  • O título original da obra, quando se trata de uma tradução.

  • A indicação de que se trata de uma edição fac-similar.

  • Indicação de que o trabalho não foi publicado (por exemplo, um artigo que foi submetido para publicação, ou apresentado em um congresso, mas ainda não está publicado).

  • O ano de publicação original, no caso de uma reedição ou tradução.

De acordo com as normas da ABNT, tais comentários devem ser colocados no final da referência bibliográfica, como por exemplo:

AUDEN, W. H. A mão do artista. Tradução de José Roberto O’Shea. São Paulo: Siciliano, 1993. Título original: The dyer’s hand.

Tal tipo de procedimento não é utilizado em outros países. Parece mais conveniente colocar tais comentários como notas de rodapé, ou então inseri-los entre colchetes no lugar adequado dentro da referência. Por exemplo:

AUDEN, W. H. A mão do artista [The dyer’s hand]. Tradução de José Roberto O’Shea. São Paulo: Siciliano, 1993.

AUDEN, W. H. A mão do artista.9 Tradução de José Roberto O’Shea. São Paulo: Siciliano, 1993.
  1. OUTROS TIPOS DE DOCUMENTOS


A Norma ABNT NBR-6023/2000 indica os modos de fazer referência a atas de reuniões, bulas de remédios, convênios, cartões postais, discos, filmes, vídeos, etc. Como será muito raro o aparecimento de tais casos na pesquisa em história da ciência, não vamos indicar aqui essas regras. O interessado deverá consultar a própria Norma. Vamos indicar no entanto outros casos mais comuns em história da ciência.

6.1 Mapas


Mapas são referenciados de modo semelhante aos livros, como no exemplo abaixo.

SANTA CATARINA. Departamento Estadual de Geografia e Cartografia. Mapa geral do Estado de Santa Catarina. [ Florianópolis], 1958.

De acordo com as normas da ABNT, deve-se colocar ao final da referência do mapa as indicações sobre o seu tamanho, uso de cores, escala, etc. Essas informações (como o número de páginas de um livro) não são essenciais em uma referência bibliográfica.

6.2 Obras em microfilme ou microficha


Utiliza-se a referencia bibliográfica do original. Se quiser, pode colocar uma nota de rodapé indicando que foi utilizado um microfilme ou microficha, mas isso é desnecessário. Alguém indica que utilizou uma fotocópia, em vez de consultar a obra original?

6.3 Obra em CD-ROM


No caso de um base de dados ou obra em CD-ROM (por exemplo, uma enciclopédia eletrônica), a referência semelhante à de um livro, mas adicionando-se o comentário de que se trata de um CD-ROM, como no exemplo abaixo:

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IBICT. Bases de dados em Ciência e Tecnologia. Brasília: IBICT, 1996. CD-ROM.

6.4 Trabalhos publicados disponíveis on line (Internet)


Se for um trabalho que foi publicado (em papel) anteriormente, coloca-se a referência do original e uma nota indicando que foi utilizada a versão eletrônica, e indicando o endereço eletrônico e a data em que o documento foi copiado (pois os endereços da Internet mudam sempre...). Por exemplo:

O ESTADO DE SÃO PAULO. Manual de redação e estilo. São Paulo, 1997. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 1998.

MALOFF, Joel. A internet e o valor da "internetização". Ciência da Informação, 26 (3): 215-236, 1997. Disponível em: . Acesso em: 18 abril 1998.

Sugerimos que a indicação do endereço eletrônico e da data de acesso sejam colocados em nota de rodapé, e não na própria referência:

MALOFF, Joel. A internet e o valor da "internetização". Ciência da Informação, 26 (3): 215-236, 1997.10

6.5 Trabalhos disponíveis apenas on line (Internet)


Para se fazer referência a uma “home page” ou qualquer outro documento da Internet que nunca foi publicado em papel (ou quando não se conhece se foi ou não publicado), a referência deve ter as seguintes informações:

AUTOR. Título. Informações complementares. Disponível em: . Acesso em: data.

Exemplo:

ALVES, Maria B. Martins; ARRUDA, Susana Margareth. Como fazer referências bibliográficas. Disponível em: . Acesso em: 10 março 2001.

Para informações mais detalhadas, ver o seguinte documento que fornece normas internacionais sobre o assunto:

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 690: Bibliographic references - Content, form and structure. Disponível em: . Acesso em 02 maio 2001.

6.6 Comunicação pessoal


Geralmente, quando se vai fazer referência a uma comunicação (conversa com uma pessoa, telefonema, e-mail), a origem da informação é explicada em uma nota de rodapé e não aparece nas referências bibliográficas. No entanto, existe um modo indicado pela ABNT para fazer referência a e-mail:

AUTOR DA MENSAGEM. Assunto da mensagem [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por data de recebimento, dia mês e ano.

MARINO, Anne Marie. TOEFL brienfieng number [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 12 maio 1998.

6.7 Manuscritos


As normas da ABNT não prevêem a inclusão de manuscritos nas referências bibliográficas. A prática que se observa em periódicos de história da ciência é a descrição dos manuscritos em notas de rodapé, sem sua inclusão na bibliografia colocada ao final do artigo, e esta regra será seguida na Revista da SBHC. Deve-se fazer uma descrição sucinta do manuscrito, e indicar a sua localização (instituição, coleção, cota de localização), como por exemplo:

Carta de William Crookes a George Stokes, 20 de junho de 1871. Cambridge University Library, Manuscripts Department – Mss. Add. 7656 c 1068.

A última informação, no exemplo acima, é o código de localização (cota) do manuscrito, na instituição em que ele está.

  1. Comentário final


Estas regras devem servir como orientação para quase todos os casos de referências bibliográficas que possam vir a ser utilizadas na Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência. Para casos especiais não descritos aqui, o pesquisador pode utilizar seu bom-senso, ou consultar os Editores da Revista (Rmartins@ifi.unicamp.br ou froes@coc.fiocruz.br).


1 O texto completo do trabalho dessas autoras, em formato PDF, pode ser copiado do seguinte endereço da Internet: http://www.bu.ufsc.br/referencia.pdf

2 É costume, em publicações norte-americanas, apresentar os títulos dos livros com iniciais maiúsculas em todas as palavras (exceto artigos e outros conectivos). Essa regra não é adotada pela norma da ABNT.

3 Note-se que o idioma alemão possui regras próprias, e nesse caso apenas os substantivos devem ser grafados com inicial maiúscula.

4 Não existem regras definidas pela ABNT para a indicação da série. Optamos por colocar tal indicação entre colchetes, como neste exemplo: [série 2].

5 Quase todos os periódicos acadêmicos publicam um volume por ano, e dentro desse volume publicam vários fascículos. Há no entanto revistas que não possuem numeração dos volumes, e numeram seqüencialmente os fascículos. Nesse caso, coloca-se apenas o número do fascículo.

6 Periódicos antigos podem ter sido publicados em diferentes cidades ao longo dos anos. Nesse caso, deve-se colocar a cidade em que a revista foi criada.

7 ISSN = International Standard Serial Number, é um número de identificação atribuído a periódicos recentes (foi criado nas últimas décadas do século XX). As revistas antigas não possuem ISSN.

8 Observação: [15--] não indica o século XV, e sim o século XVI – ou, mais exatamente, anos que comecem com 15.

9 Título original: The dyer’s hand.

10 Disponível em: . Acesso em: 18 abril 1998.

Similar:

Sb sociedade brasileira iconViii congresso da Sociedade Chilena de Limnologia Universidade Austral de Chile

Sb sociedade brasileira iconSubalternidade e Fé: desafios do cehila à historiografia brasileira

Sb sociedade brasileira iconConteúdo XIV olimpíada brasileira de matemática

Sb sociedade brasileira iconApresentamos esta segunda unidade cujo objetivo principal é conhecer as tendências pedagógicas vivenciadas no contexto da educação brasileira no decorrer da

Coloca este botón en su sitio:
esdocs.org


La base de datos está protegida por derechos de autor ©esdocs.org 2014
enviar mensaje
esdocs.org
Página principal

Zeblaze| XT175| xiaomi m365| xiaomi Roborock S50| Roborock S50| Wltoys| VISUO XS812| Viltrox EF-M2| Vernee T3 Pro| Ulefone Power 5| Tronxy X5S| SONOFF| SJCAM SJ8 PRO| Rowin WS-20| MXQ PRO| MJX Bugs 5W| lixada| LEMFO LEM8| lemfo lem4 pro| LEMFO| koogeek| kkmoon| JJPRO X5| hubsan h501s x4| hubsan h501s| Hubsan| hohem isteady pro| goolrc| Feiyu| Feiyu Tech G6| Ender 3| Creality Ender 3| Bugs 5W| anet a8 3d printer review| Anet| Anet A4| Anet A6| Anet A8| andoer| ammoon| amazfit bip|

雪茄网购| 雪茄| 哈瓦那雪茄| 雪茄价格| 雪茄烟网购| 雪茄专卖店| 雪茄怎么抽| 雪茄吧| 陈年雪茄| 大卫杜夫雪茄| 保利华雪茄| 古巴雪茄品牌| 古巴雪茄多少钱一只| 古巴雪茄专卖网| 烟斗烟丝| 小雪茄| 金特罗雪茄| 帕特加斯d4 | 蒙特雪茄| 罗密欧朱丽叶雪茄| 网上哪里可以买雪茄| 限量版雪茄| 雪茄专卖网| 雪茄哪里买| 买雪茄去哪个网站| 推荐一个卖雪茄的网站| 古巴雪茄价格| 雪茄海淘| 帕拉森雪茄|

electric bike| e bike| electric bicycle| electric bikes for adults| electric tricycle| electric trike| folding electric bike| mid drive electric bike| electric fat bike| fat tire electric bike| best electric bike|

private school hong kong| English primary school Hong Kong| primary education| top schools in Hong Kong| best international schools hong kong| best primary schools in hong kong| school day| boarding school Hong Kong|

地產代理| 租辦公室| office for lease| office leasing| Hong Kong Office Rental| 物業投資| office building| Commercial Building| Grade A Office| 寫字樓| 商業大廈| 甲級寫字樓| 頂手| 租寫字樓| Rent Office| 地產新聞| office for sale|

太古廣場| 海富中心| 中港城| 統一中心| 瑞安中心| 力寶中心| 信德中心| 新港中心| 中環中心| 合和中心| 康宏廣場| 星光行| 鷹君中心| 遠東金融中心| 港晶中心| 無限極廣場| 光大中心| 中遠大廈| 海港中心| 新世界大廈| 永安中心| 南洋中心| 永安集團大廈| 華潤大廈| 永安廣場| 朗豪坊| 時代廣場| 新世紀廣場| 太古城中心| 希慎廣場| 交易廣場| 創紀之城| 港威大廈| 企業廣場| 新文華中心| 置地廣場| 怡和大廈| 世貿中心| 太子大廈| 中信大廈| 禮頓中心| 中銀大廈| 銅鑼灣廣場| 環球大廈| 海濱廣場| 新鴻基中心| 萬宜大廈| Tower 535| 高銀金融國際中心| 海濱匯| 皇后大道中9號| 國際金融中心| 半島中心| 利園三期| 天文臺道8號| 信和廣場| 娛樂行| 南豐大廈| 帝國中心| 中環廣場| 美國銀行中心| 尖沙咀中心| 新東海商業中心| Chater House| Nexxus Building| One Island East| 中匯大廈| Fairmont House| 華懋廣場| 中建大廈| 北京道1號| 胡忠大廈| Central Plaza| The Centrium| LHT Tower| China Building| AIA Central| Crawford House| Exchange Tower| AIA Tower| World Wide House| One Kowloon| The Gateway | One Island South| Jardine House| Millennium City | Exchange Square| Times Square | Pacific Place| Admiralty Centre| United Centre| Lippo Centre| Shun Tak Centre| Silvercord| The Center| Mira Place| Ocean Centre| Cosco Tower| Harcourt House| Cheung Kong Center|